quinta-feira, 24 de abril de 2014

Irmã Anita Nunes de Barros


Irmã Anita Nunes de Barros, nasceu aos 03 de abril de 1927, na cidade de Recife, capital do estado de Pernambuco. Seus pais se chamavam José Francisco de Barros e Maria Nunes de Barros. De família humilde, aos três anos ficou órfã de sua mãe, porém recebeu de seu pai e irmãos mais velhos os verdadeiros valores cristãos da religião Católica. Mesmo pequenina, manifestava vocação para a vida religiosa.
Consagrou-se muito jovem para servir aos mais pobres, seguindo o Carisma Vicentino, e sempre fiel, ao seu batismo e em resposta ao apelo de Deus, doou-se inteiramente à causa dos pobres e necessitados. Foi trabalhar onde o Senhor lhe enviou. Por isso, em 1968 veio para Ipu e aqui se colocou a serviço dos jovens e idosos. Fez tudo para agradar a Jesus, o Senhor de sua vida.
Irmã Anita era muito dinâmica, generosa, mística, espírito renovador, amante do magistério e da poesia, muito fez pela Educação no Patronato e de Ipu.
1970 – Fundou o Centro Cívico Estudantil
1971 – Compôs a letra do Hino Oficial do Patronato
1974 – Foi Coordenadora da Escola Técnica
1975 – Concluiu o Curso de Secretariado na Faculdade de Filosofia D. José de Sobral 
              Compôs a letra do Hino Jubilar do Patronato
1980 - Formou-se em Língua Portuguesa e Inglês – Licenciatura  Plena pela  Faculdade de  Filosofia D. José de Sobral.
 Na década de 1980, Ir. Anita desenvolveu um trabalho profícuo de evangelização junto aos jovens do Movimento Marial Vicentivo, estando sob sua coordenação aproximadamente 80 jovens.
 Irmã Anita foi diretora do Patronato Sousa Carvalho durante o período de 1º de fevereiro de 1984 a 20 de fevereiro de 1987, Administradora por excelência dirigiu a casa de ensino Patronato com muita dignidade e respeito aos seus comandados e aos seus superiores. Possuidora de um caráter invejável tratava todos com carinho e muita dignidade.
Em 2006, Irmã Anita retorna à Ipu, cidade que nunca saiu de seu coração, para exercer a função de Secretária.
Amante da poesia e da música, em 2011 o Grupo de Flauta, sob a regência do Maestro Jorge Nobre, a homenageou dando-lhe o seu nome:  Grupo de Flauta Doce Irmã Anita
Irmã Anita, semeou sempre e o fez com o propósito de plantios seletos, de regas providenciais e de colheitas incalculáveis. Somos uma dessas  sementes, que se deixaram regar pelas águas da sabedoria, da fé e da espiritualidade que nos sustentam até hoje e nos permitem, também, o plantio de “roçados humanos”, para colheitas satisfatórias.
Neste momento de saudade, na união de nossas preces, a figura firme e doce de Irmã Anita, será sempre uma grata recordação entre nós

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Biografia da Igrejinha - Formação da cidade de Ipu


Origem de Ipu – História da Igrejinha
Em 1712 foi criado pela Junta das Missões da Diocese de Pernambuco o Curato do Acaracu (forma antiga de Acaraú), cujo território compreendia toda a porção noroeste da Capitania do Ceará, desde o Rio Parnaíba até o Rio Acaraú; abrangia toda a Serra da Ibiapaba, Meruoca, Sobral e o sertão do vale dos rios Acaraú e Macaco.
Por outro lado, os padres da Companhia de Jesus - jesuítas -, sob a direção da Junta das Missões do Maranhão, já realizavam um trabalho de catequese junto aos índios Tabajaras, na serra da Ibiapaba, havendo fundado a Aldeia da Ibiapaba nas cercanias da atual cidade de Viçosa do Ceará. Faziam-se presentes ainda no vale do Rio Coreaú, catequizando os índios Aconguaçus e construindo uma capela no lugar chamado Ibuaçu, atual distrito de Araquém, na cidade de Coreaú.
     A Ibiapaba foi objeto de um conflito de jurisdição entre a Junta das Missões do Maranhão e a Junta das Missões da Diocese de Pernambuco. Ambas requisitavam o direito de catequizarem os índios da região. O processo correu em Portugal e foi determinado que os jesuítas não poderiam ultrapassar o rio Inhuçu (próximo a São Benedito). Dessa forma, a Ibiapaba foi dividida em duas parte: ao norte, sob a jurisdição dos jesuítas, tínhamos o que se chamou de Serra da Ibiapaba; ao sul, ficava a imensidão habitada por índios bravios e de geografia mais inóspita chamada de Serra dos Cocos. O conjunto da cordilheira era chamado, a esta época, simplesmente de Serra Grande.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Paróquia: São Sebastião do Ipu

Endereço: Rua Dr. Chagas Pinto, 525 – Centro – CEP 62.250 – Ipu – Ce
Fone/Fax: 0**88.3683.23.00
Pároco: Pe. Raimundo Nonato Timbó de Paiva
Região Episcopal: Araras
Data - Fundação da Paróquia
Eis o que consta no livro de tombo (setembro de 1948) “A Lei 2037, de 27 de outubro de 1883, sancionada pelo Governador Dr. Satyro Dias, suprimiu a Freguesia de São Gonçalo do Amarante da Serra dos Cocos e elevou à categoria de Matriz a Igreja de São Sebastião da Vila Ipu, passando a freguesia de São Sebastião.”

Clima, relevo predominante
O clima é semiárido quente: a oeste na zona serrana tem clima fresco atenuado pela altitude. A temperatura do ano inteiro varia de 24º C a 34ºC.
O Município está dentro da Mesorregião do Noroeste Cearense, portanto localizado na Microrregião do Ipu que engloba os seguintes municípios: Ipu, Ipueiras, Pires Ferreira, Poranga, Reriutaba e Varjota. Fica também, na Zona Fisiográfica de Sobral, tendo como sede a cidade de Ipu, a 247,20m de altitude, as suas coordenadas geográficas estão assim distribuídas: Latitude 4º 19’20” S; Latitude 40º 42’39”W. Situa-se ao pé da Cordilheira da Ibiapaba, às margens do ribeirão Ipuçaba.
Orografia: A Ibiapaba margeia o município de norte a sul. Na área sertaneja encontram-se os serrotes Flores e Fuzil. Superfície 634.l km²

Limites Geográficos com relação a outras paróquias
A Paróquia de São Sebastião de Ipu, limita-se ao Norte com a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Pires Ferreira; ao Sul com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Ipueiras (Diocese de Crateús); a Leste com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Hidrolândia e a Oeste com as Paróquias e de Nossa Senhora dos Prazeres – Guaraciaba do Norte e Nossa Senhora das Dores – Croatá (Diocese de Tianguá)


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Lauro de Souza Carvalho

 Lauro de Souza Carvalho, nascido na cidade do Ipú-Ce em 10/01/1893. Filho de José Cândido de Souza Carvalho e Arminda de Paula Quixadá, abastado comerciante, que chegou a Vice-Presidente do Estado do Ceará, pelo prestigio social e político. Casou em 19 de março de 1917 com Marieta Mendonça de Vasconcelos (nascida em 1895 e falecida em 1982). Teve 5 filhos:
  Maria da Graça Vasconcellos Carvalho (Gracinha)
  José Cândido Vasconcellos Carvalho
  Paulo Afonso Vasconcellos Carvalho
  Maria Teresa Vasconcellos Carvalho
  Maria Inês Vasconcellos Carvalho
Alto comerciante no Rio de Janeiro, onde presidiu o importante departamento de modas A exposição S/A e Lojas Ducal, bem assim o Banco da Capital S/A.
As lojas Ducal começou em 1950 quando o jovem José Vasconcelos de Carvalho, então com 30 anos incompletos, juntou o que aprendeu em cursos de especialização em administração nos Estados Unidos à experiência profissional adquirida nas lojas “A Exposição” - de propriedade do seu pai, Lauro de Souza Carvalho - associou-se aos primos José Cândido e José Luiz Moreira de Souza e abriu uma fábrica de roupas (Cia Brasileira de Roupas) e a primeira loja da Ducal na Praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro, então capital federal. Para viabilizar o sonho dos três Josés, foram levantados e investidos vinte e dois milhões de cruzeiros.
Ajudou a construir o Patronato Sousa Carvalho em Ipu, junto com seus irmãos Nilo de Souza Carvalho e Milton de Souza Carvalho.
Lauro de Souza Carvalho faleceu  em 1970.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Monsenhor Francisco Ferreira de Moraes

Monsenhor Francisco Ferreira de Moraes(Biografia)
      Filho de José Olímpio de Moraes e de D. Maria Ferreira da Conceição de Moraes. Nasceu em Crateús-CE, aos 09 de agosto de 1911. Batizado aos 09 de setembro do mesmo ano.
      Estudou o curso primário na sua terra natal. O secundário fez no Seminário Menor de Sobral de 02 de fevereiro de 1927 a 30 de novembro de 1931. O curso superior: Filosofia e Teologia no Seminário da Prainha, em Fortaleza, de fevereiro de 1932 a outubro de 1937.
      Começou sua vocação, como acólito - matriz de Crateús, sendo Vigário, o Pe. José Juvêncio de Andrade.
Recebeu o presbiterado no dia 31 de outubro de 1937, na Matriz de Crateús, hoje catedral por D. José Tubinambá da Frota, Bispo da Diocese de Sobral. Sua primeira missa solene foi a 10 de novembro do mesmo ano, no mesmo local da ordenação.
      Atividades pastorais e outras: Após a ordenação foi designado Pároco de Nova Russas-CE., onde permaneceu durante mais de 10 anos, de lá, se transferiu para a Paróquia de lpu, cuja posse se deu a 10 de janeiro de 1947. Nesta importante cidade do norte cearense, ele permanece há mais de 5 décadas.
      A atuação do Mons. Moraes como sacerdote tem sido coroada de pleno êxito pelas suas qualidades morais, aprimorada cultura, brilhante orador sacro e virtuoso sacerdote. No campo literário, publica "Eu e meus versos (1996); A poesia que canta (2002) e A voz do coração (2005)", onde comprova com notáveis sonetos e primorosas poesias, a sua inspiração verdadeiramente poética. Fundou o Sindicato dos Trabalhadores Rurais; Patronato Sousa Carvalho; Ginásio ipuense; Escola profissional; Maternidade Hospital Dr. Francisco Araújo; Posto de Puericultura; implantou os primeiros telefones; organizou onta Banda de Música; o Centro Social Urbano. Conseguiu com o Governo do Ceará, a estrada de Canindé a Ipu; implantou a Rádio Catedral FM, dentre tantos benefícios para a população ipuense.
      Em 31 de outubro de 1987, celebrou seu Jubileu de Ouro, entre aclamações e júbilo de todos os seus paroquianos. Em 1955, foi agraciado pela Santa Sé com o título de Camareiro Secreto do Papa Pio XII, como estímulo e reconhecimento de seus trabalhos apostólicos.
     Faleceu no dia 15 de Abril de 2009 
Pe. Raimundo Nonato
(Pároco de Ipu)

Nilo de Souza Carvalho

          Nilo de Souza Carvalho, nasceu na cidade do Ipu-Ce em 28/11/1888. Filho de José Cândido de Souza Carvalho  e Arminda de Paula Quixadá, abastado comerciante, que chegou a  Vice-Presidente do Estado do Ceará, pelo prestigio social e político.
         Nilo de  Souza  Carvalho  foi capitalista e figura exponencial de alto comércio de São Paulo e Rio de Janeiro onde morou.
         
  Em 1921 funda  as lojas Garbo em sociedade com João Ribeiro, na esquina da Rua São Bento com a Praça Patriarca, como Camisaria Capital e denominação social Modas Exposição Clipper S.A sob a direção do Sr. Nilo de Souza Carvalho.
      Em 1926, em viagem à Argentina, Souza Carvalho descobre um novo método de venda e implanta-o em sua loja. Nasce assim, o Crediário no Brasil.
     Sempre  procurava  inovar, trazendo idéias para implantar em sua lojas. De suas viagens aos Estados Unidos da América, o Sr. Nilo trouxe e implantou a primeira escada rolante do Brasil nas suas lojas.
     Em 1941 inaugura outra novidade, a loja Clipper, também em São Paulo e localizada na avenida Brigadeiro Luiz Antonio. A Clipper, uma loja nos moldes dos atuais magazines, fez tanto sucesso que logo teve que mudar de endereço, se instalando em um local mais amplo.
          Em 1944 inaugura uma nova fábrica na Mooca.
     Em 1953, a rede de lojas Clipper inspirada no "Valentine's Day", lançou uma campanha romântica. O conceito: "Não é só de beijos que se prova o amor",incentivando os casais a se presentearem. A data escolhida foi o dia 12 de junho, por ser vespera do dia de Santo Antonio - santo casamenteiro.
      Em 1947, Mons. Gonçalo de Oliveira Lima dirigiu uma cartinha à família Souza Carvalho, radicada no Rio de Janeiro, pedindo auxilio para a construção em Ipu de um Patronato e a partir desse contato passou a manter correspondência com Mons. Gonçalo de Oliveira Lima e Pe. Francisco Ferreira de Moraes (Vigário), e em seguida, a enviar auxilio material para a construção do Patronato Sousa Carvalho e da Escola Profissional, demonstrando a melhor boa vontade e entusiamo pela efetivação da obra, planejada para amparo da educação da infància e juventude ipuense, hoje, uma grande obra social e cultural na cidade de Ipu.
        Em 1948,dá-se início a construção de um dos cartões postais da cidade, a benemérita instituição “Patronato Sousa Carvalho”, de beleza arquitetônica única no interior do Estado do Ceará, inaugurado em 23 de setembro de 1951.
      A sua capacidade de doação continuou. Pensando na manutenção das Irmãs e alunos carentes, comprou uma Fazenda na localidade Lagoa do Canto, pertinho de Ipu e com muito desprendimento e grandeza que lhe eram peculiares, cercou-a toda, construiu a casa sede e a encheu de gado, enfim, fez de tudo para transformá-la numa "Fazenda Modelo", com a finalidade única de prover recursos aos Patronato Sousa Carvalho.
        Em agosto de 1963  o Sr. Nilo de Souza Carvalho visita o Patronato Souza Carvalho  e nesta ocasião inaugura: O Jardim da Infância, a Biblioteca Irmã Nogueira, o Grêmio Estudantil Mons. Moraes  e as classes do Curso Normal Pedagógico.
    Casado em primeiras núpcias com Julia Mendonça de Vasconcelos e em segunda com Odette Jean Paul, Nilo de Souza Carvalho faleceu em 23/06/1974.


Fonte: Genealogia da Família Souza Carvalho, Empresa Garbo e História do Patronato

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Valdemira Coelho


     Filha de Raimundo Nonato Mello e Anna Coelho Mello. Nascida em Ipu-Ce., no ano de 1922, de família humilde, Valdemira ingressou na Educação aos 15 anos de idade, alguns anos depois, cursou a Escola normal do Ipu, onde passou depois à Escola Superior do Magistério, no qual recebeu o grau de professora de escola normal em 1950, e o curso normal pedagógico no Centro Educacional Sagrado Coração de Jesus, Ipu-Ce., em 1971.

      Licenciou-se em Ciências pela Faculdade de Filosofia D. José de Sobral (UVA) Lecionou 53 anos como professora do Estado, sendo:
40 anos no Patronato Sousa Carvalho, que iniciou em 1951. 36 anos no Colégio Ipuense no mesmo período em que ensinava no Patronato, iniciando em 1952.
Os 13 anos restantes nas Escolas Reunidas de Ipu, a Casa D´aula, onde começou as suas atividades como professora.

     No Patronato exercendo as suas atividades escolares foi Coordenadora do 2º grau – Curso de Formação para professores, no Centro Educacional Sagrado Coração de Jesus.

  Sua determinação pelos estudos, lhe permitiram conhecimento pessoal e direto com os livros e coisas, aumentando-lhe a familiaridade com a Pedagogia. Valdemira era minuciosa conhecedora e foi divulgadora impar na construção de uma sociedade justa e perfeita.
  No curso da sua existência como mestra amiga, principalmente em períodos críticos da nossa história, Valdemira Coêlho, como profissional exímia da educação, dizia que “no domínio da educação, a tarefa mais importante consiste em transpor os grandes ideais universais e sociais para a vida cotidiana e concreta do homem”.

   Na sua singular sabedoria e em seus comentários particulares enfatizava sempre que a educação não é de nenhum modo o que alguns proclamam que ela seja: pois pretendem introduzi-la na alma, onde ela não está, como alguém que desse visão a olhos cegos. A educação é portanto - dizia Valdemira - a conservação da alma, e que procura os meios mais fáceis e mais eficazes de operá-la; ela não consiste em dar a vista ao órgão da alma, pois que este já possui; mas como ele está mal disposto e não olha para onde deveria, a educação se esforça por levá-lo à boa direção.

     Além das atividades de ensino realizou muitas festas cívicas no Patronato juntamente com sua colega e grande amiga Maria Valderez Soares de Paiva. Ajudou muito na formação de quase 1000 (mil) professores no Patronato e milhares de alunos na sua Terra."


Escreveu três livros:
1. "Bodas de Prata do Patronato Sousa Carvalho"
2. "O Ipu em Três Épocas" - em comemoração ao centenário da cidade de Ipu.
3. "A Saga de uma Família" - homenagem à família Corrêa.

Escreveu ainda o 4º livro “História da Igrejinha”, não chegando a publicar.

Maria Valdemira Coelho Mello faleceu em 17 de fevereiro de 2003.